Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




1ª Lição — Documentum primum

por isa, em 23.02.14

Na página inicial, saudámos o visitante, cada um, individualmente, ou todos, omnes:

 

Salue — saudação a uma só pessoa — corresponde a um "bom dia", "viva"; Saluete — dirige-se a várias pessoas ao mesmo tempo.

 

É uma forma de saudação, mas, na realidade, são formas verbais. Trata-se do imperativo do verbo que significa "estar de boa saúde", "estar bem", sendo salue a 2ª pessoa do singular e saluete a 2ª pessoa do plural.

 

Pode também aparecer com a grafia salve e salvete.

 

Porquê estas duas grafias?

 

No latim clássico não existia a letra v — mas sim a semi-vogal u, que podia ter valor vocálico ou valor consonântico (quando maiúscula tem a forma V, que vemos nas inscrições), só mais tarde se fez a distinção gráfica entre as duas situações.

 

É esta forma — Salve — que, no catolicismo,  temos na oração à Virgem, Salve Rainha.

 

— Com o mesmo valor, saudando aquele que chega, a forma aue / ave,  que todos conhecem da saudação ao imperador "AVE CAESAR!"

 

— Também na oração católica temos a  Ave Maria, a saudação à Virgem.

— Na saudação popular, a cair em desuso, temos a expressão "Deus te salve!"

 

Discamus linguam latinam : estudemos a língua latina.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:53


Mensagens


18 comentários

De Daniel a 02.03.2014 às 16:59

Quando sabemos que o "u/v" tem valor vocálico ou valor consonântico?

De isa a 02.03.2014 às 17:10

Sabemos através da colocação, da formação de sílaba. Por exemplo: uita — aqui o u inicia a sílaba ui- , vemos que tem valor consonântico, vitam; mas em autem , a sílaba é au, forma o ditongo, logo, tem valor vocálico

De Anónimo a 15.10.2014 às 01:46

A existência de sons consonânticos e vocálicos está presente só na pronúncia clássica? Ou também está presente nas outros?
Vejo muitos "doutores", ao pronunciar "corpus iuris civilis", lê-lo como "iuris" ao invés de "juris". Isto é causado pela falta do conhecimento da pronúncia correta ou pela utilização de outra?

De isa a 16.10.2014 às 15:15

A pronúncia clássica diz-nos que o i e o u eram semivogais, isto é, podem ter valor vocálico ou valor consonântico. Mais tarde foram introduzidos os símbolos j e v nos casos em que a semivogal tinha valor consonântico. A pronúncia dita tradicional aproxima dos sons da língua portuguesa; no caso de iuris, lerá juris (grafando com j e não com i ) e, no caso de ciuilis, lerá civilis. Portanto quem pronuncia e escreve iuris também devia pronunciar e escrever ciuilis. O que acontece é que as pessoas fazem uma certa mistura de pronúncia, e, por exemplo, é comum ouvir domus iustitiae (grafado com i e assim lido) e não justitiae; penso que se trata de uma questão de uso, mas há alguma incoerência nisso.

De Carlos a 11.01.2015 às 01:02

Com licença, acabei de assistir em um vídeo no youtube(https://www.youtube.com/watch?v=B2oXtxj0vEI&src_vid=kyWNpZsRzIQ&feature=iv&annotation_id=annotation_3872428599), que diz que, na pronúncia clássica, o "i" e "u", mesmo com valor consonantal, têm sons vocálicos. Esta correto, e compreendi errado teu texto? Ou é outra variação?

De isa a 11.01.2015 às 15:15

Não entendeu bem o que eu expliquei. O i e o u são chamadas semivogais exactamente porque têm função vocálica, umas vezes, outras vezes função consonântica. Mas a sua leitura é sempre de i e u (nunca j e v — sinais que as substituíram nos casos em que desempenhavam função consonântica). No latim clássico escrevem-se sempre i e u e assim se lêem. Exemplos : iam ; iustitia . Na pronúncia dita tradicional, escrevem-se : jam e justitia e, por isso, se lêem com esse som.

De Carlos a 11.01.2015 às 23:33

Obrigado! Não tinha entendido mesmo. Confundi, ou ignorei a diferença, os termos "função" e "som". Mas agora tudo já está completamente claro.

De Dinis a 26.09.2014 às 14:41

Quais são os conteúdos ensinados, normalmente, no décimo ano?

De isa a 26.09.2014 às 16:57

Seria longo enumerar aqui todo o programa (pode consultá-lo na página do MEC ).
Quanto às questões de morfologia, abrange toda a flexão nominal, a flexão verbal, sem o modo conjuntivo, e toda a sintaxe relacionada. Tudo isto acompanhado de textos relacionados com temáticas específicas.

De Dinis a 26.09.2014 às 18:15

Mas, neste blog, tu estás a seguir o programa que leciona com inclusive os temas específicos(lendo-o, vi que abordaras o Idos de Março, a lendária fundação de Roma e outros mitos) ou estás a construir segundo teu conforto e tua escolha?

De isa a 26.09.2014 às 19:07

Não estou, propositadamente, a seguir o programa, mas a sequência gramatical tem de ser esta, avançando lentamente; os temas podem ser os mesmos ou não, são de acordo com os textos que tenho ao dispor e, logicamente, aproveito os que se leccionam no 10º ano.

De Dinis a 26.09.2014 às 20:27

Obrigado, Isa, pela atenção e pelas respostas rápidas e diretas!!

De Anónimo a 12.09.2015 às 20:35

Professora, estou com uma indagação:
Por que se estuda o latim clássico se o português vem do vulgar? Não deveria estudar o popular mesmo para melhorar o conhecimento do idioma nacional?

De isa a 13.09.2015 às 09:34

As línguas românicas derivam, na verdade, do latim vulgar, do latim falado por todos aqueles que dominavam o Império: chegavam às regiões conquistadas os soldados, os mercadores e, também, homens cultos. Foi esse latim que o povo começou a falar e dele derivaram as línguas novilatinas. A diferença em relação ao latim erudito estava, essencialmente, em determinados vocábulos e na simplicidade das construções sintácticas. Mas como estudar esse latim falado? Ficou registado apenas nos diálogos das obras dramáticas ou em inscrições e grafiti... muitos se podem encontrar nas zonas arqueológicas
Mas latim que mais chegou até nós é o latim erudito, o dos escritores, são as obras literárias. É esse que estudamos, para conhecer a sua obra, para ver como eles influenciaram a nossa língua e a nossa literatura. É a língua culta, a língua de cultura que foi durante séculos a língua comum da Europa culta. A função do inglês do nosso tempo, como língua internacional nos palcos de todo o mundo, foi noutros tempos desempenhada pelo latim.

De Anónimo a 13.09.2015 às 20:20

Obrigada!
Desculpe-me pela ignorância, mas o latim vulgar e clássico, num passado distante, já foram em algum momento a mesma língua?

De isa a 15.09.2015 às 16:25

No latim, como noutras línguas, há diferenças entre a língua culta, a dos escritores, e a língua falada, o falar do povo, do dia-a-dia. Quando falamos em latim clássico estamos a falar da língua usada no tempo de Cícero, de Virgílio, de Horácio, dos grandes escritores dos séculos II e I antes de Cristo e da primeira metade do século I depois de Cristo. É o latim que chegou até nós nas obras dos escritores dessa época— foi o período clássico da literatura latina, a época de ouro. Depois a língua sofreu alguma evolução e, por isso, podemos falar num latim imperial, em que houve uma certa decadência, em termos literários.
O latim vulgar era o latim falado pelas classes pouco cultas. Chegou até nós sobretudo através de inscrições, de gratfiti e de alguns textos literários que procuravam transcrever o falar do povo. Este latim vulgar (do qual derivaram as línguas românicas) caracteriza-se pela pronúncia incorrecta das palavras que leva depois a uma grafia incorrecta (que acaba por se impor nessas classes), dar às palavras significados que o latim culto distinguia com vocábulos diversos, esquecer as declinações e usar mais as preposições, uma sintaxe muito simples e uma ordem das palavras mais "natural".

De Anónimo a 16.09.2015 às 03:10

Obrigada de novo!
Podes indicar-me alguma leitura que fale mais sobre essa evolução até o português?

De Anónimo a 16.09.2015 às 15:11

Sou eu de novo. Também gostaria de saber se há mais diferenças entre os latins clássico e vulgar do que o português literário e o popular?
Quando digo literário, não só Camões, mas em relação a Eça, Almeida Garret, Castelo Branco.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D



calendário

Fevereiro 2014

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
232425262728

Comentários recentes

  • Anónimo

    Tradução ...

  • isa

    O Boletim de Estudos Clássicos só pode ser encontr...

  • isa

    Atenção à tradução:Sabini Romanorum seruos audiunt...

  • Anónimo

    ...

  • Anónimo

    Tradução do texto simplificado Europa é um lu...