Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Hoje vamos falar de   INTELIGÊNCIA

 

 

O vocábulo inteligência vem do latim intellegentia, que significa “acção de discernir”, “faculdade de compreender”, portanto, “inteligência”, “compreensão”, “entendimento”.

A evolução do e para i da sílaba –li-, vem de um processo de dissimilação, que já aparecia em latim.

— intellegentia, intellegentiae — substantivo de tema em – a, 1ª declinação, relacionado com o particípio presente do verbo intellegere, que significa “perceber”, “compreender”;

— enunciado do verbo:

intelellego, intellegis, intellegere, intellexi, intellectum

 

O que é o particípio presente e como se forma?

O particípio presente é uma forma verbal, nominal — quanto à forma é um adjectivo da 2ª classe:

tem um nominativo igual para todos os géneros e um genitivo terminado em – is:

intellegens, intellegentis

Formação:

[ tema: intelleg- + vogal de ligação e + sufixo – nt + desinências; para formar o nominativo acrescentou-se um – s ao tema, e o –t foi assimilado: intelleg-e-nt-s > intellegens ; genitivo: intelleg-e-nt-is > intellegentis]

Tradução: percebendo, que percebe, que percebia

Exemplo: homo intellegens: o homem que percebia

                  Marcus, intellegens ... : Marco, percebendo que....

 

Logo, o intellegens é “aquele que compreende /que conhece”, o “conhecedor”.

Daqui deriva a palavra portuguesa inteligente

do acusativo intellegentem > inteligente

 

Por isso, o INTELIGENTE é, literalmente, “aquele que percebe, que compreende, que sabe discernir”.

 

— Este verbo intellegere é formado de inter + legere

lego, legis, legere, legi, lectum : juntar, reunir; colher, escolher; ler

inter-legere > intellegere — o r foi assimilado pelo l, daí a consoante dobrada.

Portanto inter-legere quer dizer “escolher entre” (entre várias opções escolher uma...);

Então o inteligente é “aquele que sabe escolher, que sabe discernir, que sabe colher o conhecimento“

 

A INTELIGÊNCIA é isso, é essa capacidade de escolha, de discernimento, de colher o saber, o conhecimento.

Mas também legere : LER , porque ler é escolher, é juntar as letras, perceber.

legere > leer > ler : a consoante gutural (g) entre vogais caiu; o e final deixou de se ouvir; os dois e fundiram-se num só (crase)

e - legere > eligere : tirar de, separar; eleger

Então ELEGER é separar/escolher um de entre vários, escolher com discernimento.

 

Questões gramaticais


No enunciado dos verbos apareceu uma nova forma: lectum , intellectum

Trata-se de uma forma verbal nominal, o SUPINO; é uma forma de acusativo neutro, que indica o fim

lectum: para ler

intellectum: para compreender

O supino não tem correspondência em português.

 

Fica assim completo o enunciado de um verbo latino:

1ª pessoa do singular do presente do indicativo: lego

2ª pessoa do singular do presente do indicativo: legis

infinitivo presente: legere

1ª pessoa do singular do pretérito perfeito do indicativo: legi

supino: lectum

Outros exemplos:

amo, amas, amare, amaui, amatum : amar, gostar de

doceo, doces, docere, docui, doctum : ensinar

dico, dicis, dicere, dixi, dictum : dizer

facio, facis, facere, feci, factum : fazer

audio, audis, audire, audiui, auditum : ouvir

 

A partir do supino forma-se o PARTICÍPIO PASSADO

O particípio passado é uma forma nominal — um adjectivo da primeira classe:

Do supino lectum: lectus , lecta, lectum : lido

De amatum: amatus, amata, amatum: amado

De dictum : dictus, dicta, dictum : dito

De factum : factus, facta, factum : feito

De auditum : auditus, audita, auditum : ouvido

 

Do latim ao português:

Da etimologia de intellectum temos em português:

intelecto, intelectual

De electum temos : eleito, eleitor, eleitoral, eleitorado [ com a vocalização da consoante c ]

 

leitor.jpeg                               eleitor.jpeg

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:29


Mensagens


2 comentários

De Dinis a 11.10.2014 às 02:17

Desculpe, professora, mas não entendi que é particípio o presente, nem o passado(a função, a formação, quando os utiliza, e,finalmente, quero entender: que é uma forma verbal nominal?)? E, em relação ao supino, que acusativo neutro?
E quais são as heranças dos particípios e do supino no português??

De isa a 12.10.2014 às 15:33

Ora, então aí vão as respostas a todas as suas perguntas.
GRAMÁTICA PORTUGUESA:
— Uma forma nominal, na flexão verbal, é aquela que se comporta como um NOME (como um substantivo ou como um adjectivo), quer dizer, não se conjuga como as outras formas verbais (com as variantes pessoais, eu/tu/ele..., temporais e modais). Assim:
- Infinitivo impessoal: estudar,saber, andar,ouvir, etc. — convém ESTUDAR; gosto DE OUVIR (veja como aqui o infinitivo vem acompanhado de uma preposição)
- o particípio passado: ouvido, sabido, estudado, acabado; o particípio passado pode ser usado como um adjectivo: achei-o desanimado (aqui DESANIMADO, particípio passado do verbo "desanimar", é um adjectivo que qualifica o complemento O, em achei-O)
— o particípio passado usa-se, por exemplo, para formar a VOZ PASSIVA — Exemplo: ontem li um livro (voz activa); o livro foi lido por mim (voz passiva) — veja como o pretérito perfeito passivo — foi lido — é formado com o pretérito perfeito do verbo SER (como auxiliar) e o particípio passado do verbo LER — consulte qualquer gramática de língua portuguesa.
GRAMÁTICA LATINA:
Tal como a gramática portuguesa.
Mas o particípio presente latino não tem correspondência directa em português. Subsiste apenas em alguns substantivos

Exemplo: particípio presente latino — amans, amantis: "amando"; "que ama/ que amava" — português: (vindo do acusativo amantem): amante, tal como, estudante, lente, ouvinte

O particípio passado latino — formado a partir do supino — dá o particípio passado português: latim: amatus/amata — português: amado/amada; latim: scriptus/scripta — português: escrito/escrita

O SUPINO, como disse, não tem correspondência em português; é uma forma nominal que se usa apenas no acusativo neutro — amatum "para amar" (como os substantivos da 2ª declinação — bellum, belli "guerra", oppidum, oppidi "cidade fortificada") e, menos usado, um ablativo (de sentido passivo) amatu "para ser amado"

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D



calendário

Outubro 2014

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Comentários recentes

  • Anónimo

    Tradução ...

  • isa

    O Boletim de Estudos Clássicos só pode ser encontr...

  • isa

    Atenção à tradução:Sabini Romanorum seruos audiunt...

  • Anónimo

    ...

  • Anónimo

    Tradução do texto simplificado Europa é um lu...