Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



 

ROMANI

 in A New Approach to Latin, I, Oliver & Boyd

Aspectos a ter em conta neste pequeno texto com imagens:

 

I. Nomes próprios: 

femininos: Valeria, Lucia, Cornelia, Iunia  [ 1ª declinação, tema em - a ]

masculinos: Gaius, Sextus, Aemilius, Valerius, Syrus, Gallus, Geta [ 2ª declinação, tema em - o, excepto Geta, ae, que, embora do género masculino,  nome de homem, é da 1ª declinação ] 

II. Quantidade vocálica: por cima de algumas vogais vemos o sinal ˉ : isso indica que a vogal é longa. Este sinal apenas se usa por questões didácticas. 

 

Notas: 

1. Em latim não há acentos gráficos.

2. Na época clássica havia acento de altura, quer dizer, a sílaba acentuada pronunciava-se com um tom mais elevado; depois passou a ser um acento de intensidade.

3. Regras de acentuação:

a. não há palavras agudas, quer dizer, nunca uma palavra é acentuada na última sílaba

b. o acento recai na penúltima ou na antepenúltima sílabas

c. nas palavras com mais de duas sílabas, para sabermos onde recai o acento (qual é a sílaba tónica) precisamos de saber a quantidade da penúltima sílaba:

    — se a penúltima sílaba é longa, é acentuada

    — se a penúltima sílaba é breve, o acento passa para a antepenúltima

 

4. Como saber se uma sílaba é longa ou breve:

a. uma sílaba longa é constituída por uma vogal longa ou por um ditongo.

   Exemplo: romanorum [esta penúltima sílaba é longa, o  - o - é a vogal temática ]; em caelum, a sílaba sublinhada é longa porque é constituída por um ditongo - ae - ;

b. uma sílaba também pode ser longa por posição — quando a vogal é seguida de duas ou mais consoantes ou de consoante dupla. Exemplo: senectus [ a sílaba sublinhada é longa por posição porque a vogal está seguida de duas consoantes ]; 

c. uma sílaba é breve quando constituída por uma vogal breve:

     — se estiver marcada com o sinal ˘ quer dizer que é breve por natureza

    — também pode ser breve por posição — vogal seguida, mas não antecedida de vogal, é breve. Exemplo: Antonius [ a penúltima sílaba, - ni - é breve porque a vogal está seguida de vogal — logo, a sílaba acentuada é a antepenúltima, - to -

 

d. Como saber sempre a quantidade das vogais?

— com o tempo, aprendendo regras gramaticais

— com a ajuda do dicionário

 

III. Complemento de lugar onde: in + ablativo — in Italia, in villa, in fluvio, in via, in horto

 

IV. Vocabulário:

   - uilla, ae : casa de campo

   - uia, ae : rua

   - hortus, i : jardim

   - fluuius, i : rio

   - ager, agri : campo

   - natare : nadar

   - sedere : sentar-se

   - laborare : trabalhar

 

V. Do latim ao português — palavras portuguesas relacionadas, pela etimologia, com as palavras latinas:

    — com via : viaduto, viação, viário [a rede viária]

    — com hortus : hortícola [produtos hortícolas]

    — com fluvius : fluvial

    — com ager : agrícola, agricultura

    — com natare : natação

    — com laborare : laboral, laboratório

    

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:42


Mensagens


9 comentários

De Miguel a 14.05.2014 às 23:31

A maioria das palavras pertencem apenas a primeira ou a segunda declinação? E no caso de "femina", o "E" é acentuado, mas não sei a quantidade de "I", como saberia, se a palavra tiver esse acento, porém não o outro??

De isa a 14.05.2014 às 23:47

Neste texto todas as palavras pertencem à 1ª e à 2ª declinações.
Em "femina", o texto, que é cópia do livro indicado, tem a indicação da quantidade do E da antepenúltima sílaba, mas o que realmente interessava para a acentuação era indicar a quantidade da penúltima — MI - e, neste caso, este I é breve, logo o acento recai sobre a antepenúltima. Leitura FÉMINA ( pus o acento gráfico, que o latim não tinha, para indicar que a acentuação recai sobre essa sílaba).
Atenção: como disse acima, o latim não tem acentos, as palavras não são acentuadas graficamente, mas, claro, há uma sílaba tónica, aquela sobre a qual recai a acentuação, isto é, a que é pronunciada com mais intensidade; esses sinais de breve e longa são apenas indicações didácticas, que os dicionários também nos dão, para, aplicando as regras que enunciei, se saber como pronunciar.
O problema, aqui no computador, é, por vezes, colocar esses sinais de breve e de longa em cima das vogais. Vou tentar: femĭna ; natāre

De Rui a 18.05.2014 às 22:40

Quero parabenizar-te, primeiro, pela tua ação na criação desse blog e, segundo, pela difusão do conhecimento das línguas clássicas, tão ignoradas neste nosso país... Desejo que nosso governo considere reintroduzir, REALMENTE, o latim no futuro, mesmo sabendo que isso dificilmente ocorrerá...
E não desista desse maravilhoso trabalho, sim vi que, aos poucos, estás a parar de atualizá-lo, já que ele auxiliará ainda, em muito, nossa juventude!!
Tens algum projeto para a língua grega clássica ou a própria portuguesa pós-AO?

Um amador do latim( em ambos os sentidos)

De isa a 19.05.2014 às 15:05

Obrigada pelo incentivo. Não parei de o actualizar, às vezes faço um intervalo mais longo, mas regresso.
Em relação ao grego, não tenho, para já, nenhum projecto, pode ser que um dia me resolva.

De Rui a 20.05.2014 às 01:08

Mas conheces algum sítio que ensina o grego da mesma forma que tu ensinas o latim? Ou parecido?

De isa a 20.05.2014 às 10:21

Eu já encontrei na net um site de um professor brasileiro, não guardei i endereço e também não sei dizer se é bom ou não.

De Anónimo a 01.08.2015 às 13:06

Uma curiosidade. Já notei que é raro (que é como quem diz não me lembro de alguma vez ter visto) ter uma frase com um sujeito composto em que um grupo nominal é feminino e ou outro masculino. Como é que nesta situação se lidava com a necessidade de concordância do adjectivo?

Paulus Lusitanus est. Paula Lusitana est.
Paulus et Paula ... sunt.

Ficaria Lusitani (seguindo a lógica do português em que o masculino engloba masculino e feminino), ficaria Lusitana (que simpaticamente evitaria a predominância de um género sobre o outro), ou ficaria Lusitanae (por ser o género do nome mais próximo do adjectivo)?

Obrigada.

De isa a 01.08.2015 às 18:13

Sim, nesses casos a concordância faz-se com o masculino.
A regra é:
- quando se refere a dois substantivos de géneros diferentes, seres animados, o adjectivo vai para o masculino.
- quando se refere a dois substantivos de géneros diferentes, que designam seres inanimados ou conceitos abstractos, o adjectivo vai para o género neutro
Assim:
Paula et Paulus lusitani sunt.
Lupus et lupa sunt saeui.

Pratum et hortus sunt pulchra.

De Anónimo a 01.08.2015 às 21:46

Gratias tibi ago.
Vale!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D



calendário

Maio 2014

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Comentários recentes

  • Anónimo

    Tradução ...

  • isa

    O Boletim de Estudos Clássicos só pode ser encontr...

  • isa

    Atenção à tradução:Sabini Romanorum seruos audiunt...

  • Anónimo

    ...

  • Anónimo

    Tradução do texto simplificado Europa é um lu...